29 setembro 2016

"Fulana agora virou feminista"

Lembro que em 2013 estava conversando com uma amiga e surgiu o nome de outra colega na conversa. A colega em questão não estava no momento, mas essa minha amiga falou:
- Ah, fulana? Fulana agora virou feminista. É uma boa pessoa, mas está chata demais com isso.
Todos que estavam ao meu lado começaram a rir. Dei um sorriso sem graça e me calei. Eu estava começando a ler mais coisas sobre o feminismo - embora sempre lutasse pela causa inconscientemente -, e aquilo me chocou. Tanto por ser uma mulher a falar aquilo, como por pensar que se eu continuasse propagando o feminismo todos iriam me ver como chata também.

Bom, então qual foi a minha surpresa quando aquela amiga minha, que sempre falou mal do feminismo, ter virado do dia pra noite uma feminista radical? Onde tudo era machismo, até mesmo as mais simples das declarações amorosas?
Descobri que ela havia sofrido abuso psicológico e agressão. E junto com a tristeza por isso ter acontecido com ela, com a raiva daquele que cometeu tal ato, veio também a tristeza por ela ter mudado de atitude da pior maneira possível.

Eu fico triste quando vejo mulheres que só dão valor ao feminismo quando sofrem na pele uma agressão, ou qualquer outro tipo de machismo. Fico triste e com raiva por coisas desse tipo ainda acontecerem com nossas mulheres. Fico triste por ver uma mulher lutando por uma causa depois que sofreu muito por um homem. Fico triste, porque fico pensando que poderia ter feito algo, ter aberto os olhos dela pro machismo que estava na sua frente e que só traria consequências desse tipo. Mas, toda vez que abria a boca pra falar do feminismo, ela criticava e até zombava da causa. 

Uma pena porque seria bem melhor criar empatia pela outra, lutar pela história triste da outra, entender o que a outra passa do que simplesmente só olhar pra causa quando isso, infelizmente, aconteceu com você.
Existe uma linha tênue entre feminismo e feminismo radical. Infelizmente essa linha é ultrapassada facilmente por aquelas que foram levadas até o seu limite. E quem vai culpa-las depois de tudo que sofreram?
Nenhuma mulher tem culpa. Nem eu que nunca sofri algo do tipo, nem aquela que já sofreu, nem o feminismo. A culpa está no patriarcado, nessa sociedade que culpa a vitima, nessa cultura que coloca o homem a cima das mulheres, mulheres contra mulheres e que taxa toda mulher que pensa diferente de nos como "loucas, chatas e mal comidas", e que por isso temos que correr pro feminismo. Por termos que lutar por igualdade quando na verdade isso deveria ser algo natural.

Empatia. Mulheres, nos precisamos ter empatia.

                                        

Nenhum comentário: